16/09/2020 às 13:43 - Atualizado em 16/09/2020 às 18:39

Sindicato Empresarial de Hospedagem e Alimentação está sob nova gestão

Seha / seha.com.br

Jonel Chede, dono da Hotéis e Turismo Universo LTDA, localizado em Curitiba, assumiu a presidência do Sindicato Empresarial de Hospedagem e Alimentação (SEHA) no final do mês de agosto.

O SEHA é conhecido desde 1949 por ser uma associação de empresas e por representar a sua base territorial com abrangência de atuação intermunicipal e, também, em Curitiba, na Região Metropolitana e no Litoral do Paraná.

Chede já atuava no sindicato como conselheiro fiscal e vice-presidente desde 2018. Agora, com o novo cargo, será responsável por fomentar estratégias que visem a melhoria e a qualificação dos serviços de hospitalidade. Além disso, irá representar, apoiar e defender os interesses da categoria. Atualmente, o SEHA representa 938 empresas e conta também com 86 associados.

Visando apresentar as propostas na sua gestão, o presidente concedeu uma breve entrevista, abordando os seus desafios e perspectivas para o futuro. Confira: 

Qual o principal desafio de sua gestão?

JC: Tivemos o desmembramento da nossa categoria, que foi, na verdade, o primeiro golpe na atividade de nosso sindicato. Tal fato continua até hoje sob judice. Podemos destacar também a nova realidade sindical brasileira, pois a Reforma Trabalhista impingiu aos sindicatos grande desafio que, antes da vigência da lei em 2017, não existia a faculdade de recolhimento das contribuições sindicais. O terceiro e mais atual desafio que nos foi imposto foi a pandemia, que afetou sobremaneira toda a atividade econômica, inclusive de nosso sindicato. Os segmentos que representamos foram os mais afetados, com os maiores prejuízos, e ainda estão tendo impactos significativos. Podemos também mencionar o Turismo, que é o maior gerador de empregos no país, com seus segmentos que fazem parte, tais como a hospedagem, alimentação e eventos. Dentro deste panorama, também como desafio, será recuperar aqueles associados que, devido à crise, deixaram de contribuir mensalmente.

Quais projetos a sua diretoria tem para combater a crise instaurada pela pandemia?

JC: Parcerias com os poderes públicos municipal (Instituto Municipal do Turismo) e estadual (Paranatur) ligados ao Turismo, com as entidades representativas do trade (ABIH-PR, ABEOC-PR, FECOMERCIO-PR, ABAV-PR, ABRASEL-PR e CCVB), com o SEBRAE-PR e também o SENAC-PR. Manteremos convênios para associados que reduzirem os seus gastos com a Medicina de Trabalho. Além disso, ofereceremos assessoramento jurídico para questões trabalhistas bem como para dirimir as dúvidas na utilização dos decretos federais que minimizam os custos para as empresas; a celebração de acordos trabalhistas com o sindicato laboral para dar maior alcance e gerar maior confiança nas medidas adotadas pelas empresas também está em pauta. Pretendemos, inclusive, ampliar a gama de nossos convênios e cursos de aperfeiçoamento, criando a fidelização necessária junto aos nossos representados.

Qual a importância do movimento sindical num momento como este?

JC: Entendemos que a atuação do Sindicato é primordial neste momento, seja para apaziguar as relações coletivas de trabalho ou para dar suporte fático e jurídico, àquelas empresas que representamos. O nosso departamento jurídico está em sintonia, em contato permanente, com os departamentos jurídicos de sindicatos do Brasil, trazendo para os nossos representados a mais atualizada posição dos Tribunais, assim como os atos legislativos. Além do mais, a tecnologia nos auxilia, atualmente, para que possamos levar capacitação virtualmente para nossos representados. Vamos informá-los de forma mais eficiente e rápida sobre os benefícios financeiros e sociais que conquistamos em prol da categoria. É válido ressaltar que estamos sempre abertos para novas parcerias, com a condição de que tragam benefícios concretos para as empresas que representamos.