17/02/2021 às 15:14 - Atualizado em 17/02/2021 às 19:05

Setor de turismo despenca 36,7% em 2020, diz IBGE

Pixabay

Na passagem de novembro para dezembro, indicador ficou estável, interrompendo uma sequência de sete altas.

Por Darlan Alvarenga e Daniel Silveira

Em meio à pandemia de coronavírus, o índice de atividades turísticas despencou 36,7% em 2020 frente a igual período de 2019, segundo divulgou na última quinta-feira (11) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O desempenho do setor de turismo foi pressionado, sobretudo, pelos ramos de restaurantes, transporte aéreo, hotéis, transporte rodoviário coletivo de passageiros, catering, bufê e outros serviços de comida preparada e agências de viagens.

Todas as 12 unidades da federação investigadas pelo IBGE registraram taxas negativas, com destaque para São Paulo (-40,0%), seguido por Rio de Janeiro (-30,9%), Minas Gerais (-35,2%), Bahia (-37,2%) e Rio Grande do Sul (-43,3%).

Na passagem de novembro para dezembro, o indicador ficou estável, interrompendo uma sequência de sete altas.

“Todas aquelas atividades de caráter presencial, como transporte aéreo de passageiros, restaurantes, hotéis, locações de automóveis e agências de viagens, puxaram o indicador para baixo, fazendo com que ele ficasse estável nesse mês”, explica o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Já na comparação com dezembro de 2019, houve queda de 29,9% do indicador.

O setor de turismo foi um dos mais afetados pela pandemia dentro das atividades de prestação de serviços, sobretudo os segmentos de alojamento, alimentação, serviços prestados às famílias e transportes.

De acordo com o IBGE, o segmento de turismo ainda precisa avançar 42,9% para retornar ao patamar de fevereiro de 2020, mês que antecedeu aos efeitos da pandemia.

"Há uma correlação do turismo com o caráter presencial da prestação de serviços. Isso fica evidente quando a gente olha para os segmentos mais afetados pela pandemia", enfatizou Lobo.

De acordo com o gerente da pesquisa, para recuperar os patamares mais altos o setor de serviços depende da vacinação em massa da população brasileira.

"Para além de qualquer medida que o governo ou as empresas possam adotar para avançar o setor de serviços nas suas diversas esferas , nada vai ser mais importante que uma vacinação em massa da população. É impossível dissociar uma recuperação dos serviços da questão sanitária no país.Naturalmente, o que se impõe (sem a vacinação) é uma menor circulação de pessoas e, consequentemente, uma menor prestação de serviços, sobretudo daqueles que dependem do atendimento presencial", avaliou Lobo.

Fonte: G1