20/11/2019 às 18:20

O crescimento gradual do turismo brasileiro

Arquivo

Alexandre Sampaio*

No mês de outubro, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a isenção de visto para a entrada de chineses e indianos no país.

A medida é determinante para estimular o turismo internacional no Brasil, visto que, um mês antes, a Organização Mundial do Turismo (OMT) informou uma queda de 5% nos gastos, em território nacional, envolvendo esse tipo de movimentação na América Latina.

Apesar deste fato, as perspectivas para o setor são positivas, ao analisar alguns aspectos que ocorrem em território brasileiro. Esse pensamento pode ser levado em consideração ao presenciarmos, por exemplo, a manutenção do Ministério do Turismo acerca do Decreto Nº 9.731/2019 cujo intuito é permitir a isenção unilateral de vistos a turistas americanos, canadenses, japoneses e australianos.  Ao facilitarmos a entrada dos estrangeiros no país, vemos a possibilidade de aumentar o ambiente econômico local, o que impacta positivamente a renda local. 

Ainda em outubro, estivemos diante da aprovação do texto principal da Reforma da Previdência. A medida, apoiada pelo empresariado do comércio de bens, serviços e turismo, é indispensável para que o Brasil se torne um país mais equilibrado em suas contas. Com passos pequenos, vemos um futuro promissor para o nosso setor que, por sua vez, possui potencial para crescer cada dia mais. 

Entretanto, devemos estar atentos a alguns aspectos que podem impactar o desenvolvimento do turismo nacional. A necessidade de regulamentação das novas plataformas digitais de hospedagem, o aumento da competitividade do mercado interno e a dificuldade de simplificar os processos de autorização para que mais companhias aéreas estrangeiras operem no Brasil são temas delicados que devem ser analisados para otimizar o crescimento do setor. 

Ainda podemos considerar a importância dos parques temáticos e nacionais, para que haja o aproveitamento integral dos pontos turísticos, de forma que esses ambientes consigam ser movimentados com êxito. Além disso, é válido discutir a necessidade de modernizar a lei de migração, assim como ratificar a convenção do trabalho marítimo e, também, melhorar a infraestrutura portuária do Brasil. 

A expansão é gradual, mas significativa. Com os ajustes adequados, o turismo brasileiro tende a se tornar cada vez forte e mais interessante econômica e socialmente. 

*Presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação