20/12/2019 às 12:00 - Atualizado em 01/01/2020 às 09:02

Imposto sobre compra em dólar anunciado na Argentina pode afetar turismo no Brasil

FBHA/Divulgação

Por Glauce Cavalcanti

A iniciativa do novo presidente argentino, Alberto Fernández, de taxar em cerca de 30% gastos com produtos e serviços em dólar, incluindo passagens aéreas, reservas de hotéis no exterior e outros serviços, pode impor um novo freio a viagens feitas pelos turistas do país ao exterior, afetando o mercado brasileiro. Após anúncio de imposto sobre compras em dólar, moeda disparou na Argentina.

A Argentina é o maior emissor de visitantes internacionais para o Brasil, segundo o Ministério do Turismo. Em 2018, 2,5 milhões de argentinos vieram ao país. Representaram quase 38% do total de estrangeiros em viagem ao Brasil, mas houve recuo de 4,72% frente a 2017.

A Organização Brasileira de Viagens de Receptivo (Bito, na sigla em inglês) avalia que o imposto argentino deve reduzir o fluxo de turistas para o Brasil mais adiante:

— Por ora, não há impacto. As reservas estão feitas. Mas, é claro, vai impor um freio no movimento. Isso já havia acontecido por conta das dificuldades econômicas enfrentadas pelos argentinos. No geral, viaja quem tem dinheiro — destaca Salvador Saladino, presidente da Bito.

Ele lembra que medidas como essa levam o turista a ajustar os gastos:

— O viajante ajusta a despesa ao orçamento. Passa de um hotel cinco estrelas para outro quatro estrelas, troca o destino da viagem, opta por uma estadia do tipo all-inclusive.

Dados do Instituto Nacional de Estatística e Censo (Indec) da Argentina mostram que 318,4 mil residentes embarcaram para o exterior em aeroportos do país em outubro, queda de 4,2% em relação ao mesmo mês de 2018.

No acumulado do ano, foram 3,43 milhões de viajantes, um tombo de 12,5% ante igual período do ano passado.

Para as aéreas brasileiras Latam, Gol e Azul, que voam para a Argentina, ainda é cedo para prognósticos sobre o efeito da medida. A Azul lamentou que a atividade turística no Mercosul seja penalizada. “O aumento da carga tributária sobre o setor impacta diretamente o turismo, importante vetor de fomento econômico”, informou a empresa em nota.

Fonte: O Globo