02/05/2018 às 14:40 - Atualizado em 03/05/2018 às 18:15

Falta de sincronismo e integração prejudicam turismo rodoviário no país

Assunto foi tema de discussão no Fórum de Turismo Rodoviário que aconteceu dentro do 24º Salão Paranaense de Turismo

O transporte rodoviário, que já teve grande destaque dentro do turismo brasileiro, foi tema do Fórum de Turismo Rodoviário, realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Paraná (Fecomércio-PR), em parceria com a Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) e a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O evento fez parte da programação do 24º Salão Paranaense de Turismo, promovido pela Assocação Brasileira de Agentes de Viagens do Paraná (Abav-PR),  que aconteceu em Curitiba de 26 a 28 de abril.

Nos debates, que reuniram especialistas e autoridades dos setores de transportes e turismo a falta de sinergia, esclarescimento sobre normas e integração foram apontadas pelos participantes como obstáculos para o desenvolvimento do setor. Ismael Souza Silva, superintendente da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), afirmou que a proposta da Agência é caminhar no sentido de uma desregulamentação e monitoramento dos serviços realizados na área turística.

Para Alexandre Sampaio, presidente da FBHA e do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade da CNC (Cetur/CNC) é preciso superar temas como acessibilidade dos ônibus e vans e a questão das concessões para prestadores de serviços. “Por muitos anos, o turismo esqueceu o Turismo Rodoviário e ele foi o responsável pelo crescimento de grandes operadoras turísticas. Agora, visualizamos uma oportunidade para agências de viagem crescer, além da possibilidade de desenvolvimento de inúmeras regiões do Brasil”, avalia o presidente da ABAV-PR, Antonio Azevedo.

O advogado da Abav Nacional, Marcelo Oliveira, lembrou que é preciso definir com clareza o que são prestadores de serviço no transporte rodoviário e cobrou agilidade para resolver questões e temas como mudanças de itinerários sem que haja problemas com a fiscalização. “É preciso haver maior sinergia e integração entre os setores envolvidos”, disse ele.

O Fórum contou com painéis sobre temas diversos pertinentes ao Turismo Rodoviário, abordando gargalos e oportunidades desta especialidade. Entre os temas debatidos estão a regulamentação do setor, a infraestrutura, o potencial de mercado para o Turismo, além da apresentação de cases de sucesso.