11/11/2020 às 15:38 - Atualizado em 11/11/2020 às 17:28

Dia do Hoteleiro e do Restauranteiro destaca a importância das profissões para a retomada do Turismo

Divulgação

Por Alexandre Sampaio, presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA)

Na primeira terça-feira (3) do mês de novembro, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgou que o faturamento do Turismo chegou a R$ 12,8 bilhões no mês de setembro, dando sinais positivos de recuperação no nosso país. 

Os dados foram levantados pelo Índice Cielo de Vendas do Turismo da CNC (ICVTur-CNC), em parceria com a Cielo, empresa brasileira de serviços financeiros. 

Depois de meses de angústia, vemos uma luz para o nosso setor. É claro que os números estão longe do ideal, contudo, o trabalho árduo de todas entidades relacionadas ao trade turístico contribuiu para este resultado positivo, em que vemos as atividades turísticas voltando à rotina de inúmeras cidades brasileiras, o que nos dá muito ânimo para continuar!

Dentro desse processo para de restabelecimento, dois profissionais foram fundamentais para avançarmos: o hoteleiro e o restauranteiro. O trabalho executado por eles é tão relevante e necessário que, inclusive, há uma data fixa para comemorar a existência das categorias. 

Na última segunda-feira (9), dia oficial dessas profissões, teremos motivos extras para celebrar. Sabemos que o período extremo da pandemia, para o segmento, foi abril, quando foi registrado um faturamento de aproximadamente R$ 4,1 bilhões – o mais baixo da série histórica, iniciada em 2017 – e queda de 66,4%, quando comparado a março. 

Não podemos negar que os danos causados aos negócios, devido ao coronavírus, colocam o setor como o mais afetado e, ao que tudo indica, o ramo de hotelaria levará mais tempo para se recuperar. Entretanto, a sociedade, como um todo, buscou formas de se adaptar ao "novo normal". 

Depois de oito meses em mares turbulentos de isolamento social, vimos como a saúde mental das pessoas se deteriorou. Tornou-se necessário, então, redobrar os cuidados nos meses mais intensos da infecção viral, o que possibilitou o retorno de determinadas atividades no nosso país, inclusive as turísticas.

É indiscutível a importância do Turismo para a qualidade de vida humana. Por meio de viagens e experiências gastronômicas, encontramos motivos para sorrir e, acima de tudo, viver. Sabendo da sua relevância, o nosso setor, assim como em outros segmentos, também buscou se adequar à realidade em que estamos inseridos. 

Não foi – e continua não sendo – fácil, mas graças a todos os esforços reunidos por diferentes frentes, estamos caminhando para um futuro menos devastador e mais promissor. 

Nisso, reitero: os profissionais da Hotelaria, Alimentação e Similares são parte dessa vitória. Não foi por acaso que as áreas de Hospedagem e Alimentação se destacaram nas últimas semanas e isso deve ser aplaudido. Pela análise do ICVTur-CNC, esses setores contabilizaram o maior volume de vendas em setembro, acumulando R$ 8,533 bilhões. 

Nossa perspectiva é que as coisas melhorem dia após dia. Não é um processo rápido e, muito menos, imediato, mas a magnitude do Turismo possibilitará que voltemos mais fortes do que antes. A positividade deve permanecer em nossos passos e o trabalho, que se mantém a todo vapor, não vai parar. Dessa forma, conseguiremos vencer esse inimigo invisível que nos mobilizou por tanto tempo.